Não me habituei a assistir a justificativas tão pueris às mortes de terceiros*