O mesmo rigor técnico. Novos recortes analíticos.

Desconstruindo (Ainda Mais) Paulo Freire

por Thomas Giulliano

Este livro é muito mais que uma derradeira representação. Ele é a nova destruição intelectual de nosso mais célebre embusteiro.

Ao longo dos últimos 15 meses, percorri mais de 80.000 km, visitei mais de 50 cidades, conversei com mais de 4.000 pessoas e concedi dezenas de entrevistas. Ser uma amálgama dessas experiências é o principal objetivo do livro Desconstruindo (AINDA MAIS) Paulo Freire.

Com o seu estilo messiânico, mesmo depois do impacto do best seller “Desconstruindo Paulo Freire”, o (ainda) Patrono da Educação Brasileira tem em suas palavras os argumentos que inspiram os seus inúmeros imitadores nos departamentos de ciências humanas das universidades de todo o mundo ocidental.

Capítulos

1 – Cartas a Cristina – Reflexões Sobre Minha Vida e Minha Práxis: Resenha crítica
2 – O suor de Anchieta irrigou o solo do Brasil
3 – Parâmetros Curriculares Nacionais: sinônimo de penitenciária escolar
4 – Gênero e Paulo Freire
5 – A vaca acadêmica
6 – Manada, abesana, armento, cingel, horda, julgada, jugo, junta
7 – Análise do Plano Nacional de Educação 2014 – 2024
8 – Precisamos ter um MEC?

Extras

1 – Toleimas freireanas a Cristina, por Thomas Giulliano
2 – Paulo Freire: o intelectual de Julien Benda, por Thomas Giulliano
3 – Não me habituei a assistir a justificativas tão pueris às mortes de terceiros, por Thomas Giulliano
4 – Paulo Freire antônimo de amor, por Thomas Giulliano
5 – “Desconstruindo Paulo Freire”: uma proposta necessária, por Lucas Berlanza
6 – Resenha: Desconstruindo Paulo Freire – O Terrível Patrono da Deseducação Brasileira, por Hélio Angotti Neto
7 – Desconstruindo Paulo Freire, por Francisco Escorsim

“Dar um novo passo, pronunciar uma palavra nova, é o que as pessoas mais temem”

Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski